Categoria "Gestão Portuária"

Posted by Fredy on 10th setembro 2009

Timbaúba fabricará fio de poliéster

 

Unimetal investirá R$ 57 mi, gerando 300 empregos diretos e 900 indiretos

Mais uma indústria está prestes a desembarcar em Pernambuco e desta vez o anúncio contempla a Zona da Mata Norte. O município de Timbaúba receberá uma unidade da Unimetal, fabricante paulista de fios de poliéster. Os investimentos são na ordem de R$ 57 milhões e cerca de 300 empregos diretos e 900 indiretos serão gerados. A conclusão das obras está prevista para até o final do próximo ano. A aplicação se dará basicamente no setor automobilístico e o Estado deve substituir 40% das importações da matéria-prima.
 
O chip industrial de poliéster é aplicado na confecção de bancos, pneus e cintos de segurança, além da fabricação de cordas para plataformas de petróleo e cabos para estaleiros. A área industrial ocupará dez hectares de um terreno cedido pela Prefeitura de Timbaúba, na BR-104.  Com capacidade de produção de 17 mil toneladas de fios, a fábrica será fornecedora da Petroquímica Suape. A assinatura do protocolo de intenções acontece amanhã, em Timbaúba, com a presença do governador Eduardo Campos e do diretor-presidente da Unimetal, Christopher Zung Sing Yung.
 
O secretário de Desenvolvimento Econômico, Fernando Bezerra Coelho, que também participará do anúncio oficial, afirmou que o Estado negocia com pelo menos três empreendimentos do segmento têxtil, sendo que dois devem aportar em Suape e outro no Interior. Um dos municípios que vai receber investimentos é o de Salgueiro. Esta semana, Bezerra Coelho entregou à cidade o plano diretor do projeto de construção de uma Plataforma Logística Multimodal. O equipamento será construído em uma área de 300 hectares às margens das BRs 232 e 116 e a intenção é de que fique pronto até junho de 2010.
 
O terreno será divido em três áreas: a primeira destinada à construção de estabelecimentos comerciais que atendam ao fluxo de carretas da região; na segunda serão instaladas as centrais de distribuição; e a terceira, voltada para a distribuição agroindustrial. A previsão é de que o cercamento da área tenha início em setembro. A primeira licitação, onde serão investidos R$ 5 milhões, deve ser lançada até o fim de novembro. “Nesta primeira etapa serão construídos os acessos para a plataforma, iluminação da área, centro administrativo e a pavimentação dos 100 primeiros hectares do terreno”, contou o secretário.
 
Segundo Bezerra Coelho, grandes redes varejistas já demonstraram interesse nos terrenos destinados às centrais de distribuição, que serão divididos em 87 lotes. O Governo está discutindo com a Petrobras sobre a construção de um pátio de tancagem para distribuição de diesel.
Folha de Pernambuco
Posted by Fredy on 9th setembro 2009

Apprentice scheme shows way ahead

Apprentice scheme shows way ahead
THE Atlantico Sul shipyard faces a huge challenge in its early days in building up suitably qualified labour force, writes Fabio Palmigiani
 
Rather than try to attract workers from farflung regions, the Estaleiro Atlantico Sul (EAS) joint venture is banking on a bold training programme designed to boost skills and rapidly increase worker capacity. More than 2000 workers currently on the company’s books have been trained since late 2007.
 
“The Suape area has absolutely no shipbuilding tradition, so we had only two options. We could have imported workers from the south and south-east, regions where the big shipyards are located, or we could train the local population. We decided to go with the second alternative”, says Atlantico Sul administrative director Gerson Beluci.
 
The first move was to sign a partnership with the Pernambuco state government and five local city halls around the Suape area to create a social programme to stimulate the community.
 
More than 20,000 people registered for the programme and in the end a total of 4700 were selected. At first, the cities of Ipojuca, Cabo de Santo Agostinho, Jaboatao dos Guararapes, Escada and Moreno have provided intensive basic education courses, feeding through candidates 300 at a time.
 
Brazil’s National Industrial Learning Service (Senai) started providing a two-month theory and practical courses for welders and joiners, giving them the basic skills for the industry. Those passing through the Senai course become Atlantico Sul apprentices. “The training is only over when the worker gets the credentials as a professional welder or joiner. We like to call our training center a mini-yard, because it has the exact state-of-the-art equipment as the one we use at the real shipyard”, says Beluci.
 
The Francisco Vasconcelos training centre was the first technical school to be built by a private company in Pernambuco. It compromises a production line with 32 welding booths, a tool shop, a classroom and other facilities. Pernambuco’s unemployment rate is historically higher than the national average, and stubbornly higher than 10%. Now it is dropping, and ended 2008 at 9%.
 
“We are giving job opportunities and changing peoples’ lives. Our enterprise is making a structural change in the region and generating development. This can all be summarized in two rods – social inclusion”, says Atlantico Sul chief executive Angelo Bellelis.
One of the many people that had his life changed was Jonathas da Silva Ferreira. The 31 year-old boiler-maker joined the shipyard in 2008 and after two months of hard work, was summoned to stay in the training centre as an assembly supervisor.
 
“At first, I couldn’t believe the opportunity. When they told me a yard would build ships in Pernambuco I thought it was a joke, but now I’m sure things here will never be the same again”, he says. Ferreira is one of the many students to embrace the chance to work in the yard and he will not be the last. Atlantico Sul plans to train more than 3000 people by the end of 2009 and more 4000 by the end of 2010. (Upstream/The International Oil & Gas Newspaper – upstreamonline.com – Published in 17 July, 2009)

Posted by Fredy on 9th setembro 2009

Estaleiro Atlantico Sul takes shape with its state-of-the-art promise

IN A ONCE-forgotten corner of Brazil’s underdeveloped north-east, one of the world’s great shipyards is taking shape, writes Fabio Palmigiani
 
Camargo Correa and Queiroz Galvao decided to team up behind the shared vision of a state-of-the-art shipyard in 2005 and were joined by PJMR Empreendimentos – a shipbuilding concern that was a partner in Rio de Janeiro’s Aker Promar yard in Rio de Janeiro – while Samsung Heavy Industries joined as a technical partner.
 
The partnership resulted in the Estaleiro Atlantico Sul (EAS) joint venture. Land clearance began on the industrial hub port of Suape in 2007 and the consortium soon snapped up huge Petrobras contracts, even though the yard will not be technically complete until late this year.
 
EAS won a $393 million contract to build the hull for Petrobras’ P-55 production semisubmersible in late 2007 and has collected more than $2 billion worth of tanker orders from the company, including 10 Suezmax and five Aframax vessels.
 
First steel was cut on the P-55 almost one year ago and the hull is due for delivery in August 2010. The P-55 hull blocks must be shipped to southern Brazil because Petrobras stipulated that hull assembly and topsides integration must take place at the Rio Grande yard.
 
The $715 million shipyard project covers 1.62 square kilometers, including a sheltered industrial area of 130,000 square metres. A drydock measuring 400 metres by 73 metres and featuring a 12-metre draught is still being built. Atlantico Sul is already adapting its longer term plans for new demand arising from the recent pre-salt discoveries.
 
It is expanding its operations and intends to use a 500,000-square-metre area to build the facilities needed to enter the offshore sector. Steel processing capacity has already been expanded to 160,000 tonnes per annum, from an original concept of 100,000 tpa. One of the options being studied under the expansion plan is to build a floating dock to convert or build offshore production units, as well as tankers.
 
“The shipyard will soon be ready to make any type of vessel of offshore structure, including production units for the pre-salt… and it’s our commitment to assure continuously improving productivity”, says Atlantico Sul administrative director Gerson Beluci. Atlantico Sul recently sent two teams of 20 professionals to South Korea for special training at Samsung yards.
 
EAS believes its modern installation is very close to the Asian standards. “I have no doubt we have an industrial installed capacity more advanced than many Asian yards. We have a Ferrari in our hands… noew we only need to learn how to drive it”, jokes Atlantico Sul assistant offshore director Toshikatsu Yamada, adding the company will soon receive new plant and machinery to help push productivity higher.
 
While industrial skills are scarce in a region that had been in decline for decades, EAS is nevertheless moving to an area where the hunger for jobs is tangible. Atlantico Sul chief executive Angelo Bellelis believes the arrival of the shipyard will soon bring many services, mechanics and components companies to the region.
 
“We have a big advantage over the others because we got here first. When the opportunity and demand weren’t that clear a few years ago, our shareholder decided to face the challenge and build the shipyard in Pernambuco”, Bellelis says. The yard is also close to the other great offshore provinces such as the Gulf of Mexico and West Africa, which Yamada believes will be important if the rising productivity is going to open opportunities in other markets.
 
The pioneering vision in planning a new shipbuilding and offshore hub may be strengthened as Brazilian contractor Galvao Engenharia is now leading a project to build another shipyard and drydock in Suape port, focusing primarily on the Petrobras rig-building project. (Upstream/The International Oil & Gas Newspaper – upstreamonline.com – Published in 17 July, 2009)

Posted by Fredy on 9th setembro 2009

Capacidade tem que triplicar para atender demanda

Estaleiros devem triplicar a capacidade produtiva atual para dar conta da demanda do pré-sal, segundo a presidente do Mac Laren Oil, Gisela Mac Laren
 
A executiva prevê, no mínimo, a construção de mais 40 unidades de perfuração, além das 45 plataformas previstas no Plano de Investimento da Petrobras até 2020.
– Nenhum estaleiro brasileiro está preparado no momento para receber essa demanda do pré-sal – afirmou Gisela.
 
O presidente do STX Brasil Offshore, Waldemiro Arantes Filho, ressalta que além dos estaleiros atuais e dos dois grandes empreendimentos que estão sendo construídos, o Estaleiro Atlântico Sul, no Complexo Industrial Portuário de Suape (PE) e o Rio Grande, da WTorre, em Rio Grande (RS), a demanda futura do país exigirá mais quatro ou cinco novos estaleiros. Para complementar, o executivo diz que o Ishibrás (RJ) terá de ser reaberto.
 
– Esse movimento de expansão tem que começar agora para que a demanda seja atendida e as conversas entre os estaleiros, governo e Petrobras já começaram. Nesta semana, o presidente José Sergio Gabrielli vai mostrar o plano de unidades necessárias para o pré-sal – garantiu.
 
O objetivo dessa expansão vai além das oportunidades do pré-sal.
Arantes Filho destaca que essa é a grande chance do parque industrial naval brasileiro se preparar para enfrentar a demanda internacional.
 
Além das petroleiras estrangeiras que vão investir na área de 142 mil Km² ainda não licitados no pré-sal, os empreendimentos querem se preparar para concorrer à leilões em outros países.
 
 – É um grande desafio, mas com a disposição do governo em ajudar e o bom senso da Petrobras em esperar a indústria nacional se preparar isso será possível – diz.
O presidente do Sindicato Nacional da Indústria da Construção e Reparação Naval e Offshore (Sinaval) afirma que os estaleiros brasileiros estão preparados para o desafio de produzir esses equipamentos, já que o setor iniciou o processo de consolidação há dez anos. (Portal Indústria Naval de Pernambuco)

Posted by Fredy on 9th setembro 2009

A Bahia e a base de submarinos

A Bahia e a base de submarinos
O Netuno foi operado exclusivamente pelo 1º/7º GAv sediado na Base Aérea de Salvador até 1976, quando foi desativado
 
A assinatura de acordo militar entre Brasil e França, que inclui a montagem de quatro submarinos Scorpène, ao custo de € 1,66 bilhão, a integração do reator brasileiro aum submarino nuclear,de € 2 bilhões, a construçãodeumabase eumestaleiro, investimento estimado em € 1,8 bilhão e mais cerca de € 1 bilhão de transferência de tecnologia, perfazendo um total de € 6,46 bilhões, equivalentesa R$ 17 bilhões, cria parao governofederal uma oportunidade ímpar de trazer para o Nordeste investimentos governamentais, que amenizariam a tendência de concentração da atividade econômica no Sul e Sudeste.
 
O aproveitamento da Base Naval de Aratu, localizada na entrada da Baía de Aratu, uma dastrêsbaíasexistentes no interiordaBaíade Todos-os-Santos, seria o local ideal para construçãodoestaleiro e da fixaçãodafutura base de submarinos.
 
A Baía de Todos-os-Santos, além de ter localização estratégica, do ponto de vista de defesa e de integração da Amazônia Azul, por estar localizada no meio da costa brasileira e nomeio da costa americana do Atlântico Sul, e ser a segunda maior baía do mundo, com área de 927 km² e volume aproximado de 6,39 trilhões de m³, possui águas protegidas e profundas e extensão costeira de 184 km.
 
Estudos realizados pela Marinha do Brasil e o governo do Estado da Bahia, através de suas Engepron e Sudic, respectivamente, em conjunto com a UTC Engenharia, esboçam um projeto de moderno estaleiro para construção e reparos de navios de grande porte, na área ocupada pela BaseNaval e adjacências, consideradaporparte expressivadoalmirantadoe técnicos navais, como o lugar ideal para onde parte da esquadra brasileira, mal alojada na Baía da Guanabara, deveria ser transferida.
 
Pelosmesmos motivosestratégicos, aForça Aérea Brasileira, com o objetivo de patrulhar os oito mil quilômetros da costa brasileira, escolheu a Bahia para anexar as 14 unidades do P2V5 Neptune, aqui designado de P-15 Netuno, adquiridasnofinal de 1958 daRoyal Air Force.
 
O Netuno foi operado exclusivamente pelo 1º/7º GAv sediado na Base Aérea de Salvador até 1976, quando foi desativado.
 
Os esforços de ampliação da Base Naval de Aratu deveriam se somar às iniciativas de ampliação do Porto de Aratu, de capacidade insuficiente para atender a atual necessidade de escoamento da produção do Polo Industrial de Camaçari, e da utilização do estaleiro de São Roque do Paraguaçu, em Maragojipe, como centro de produção de plataformas de todos os tipos, principalmente das offshore demandadas pelas empresas petrolíferas.
 
O reconhecimento da pequena atratividadequeexerceo Nordestesobreosinvestimentos privados, demonstrada fielmente pelos parcos 8% de desembolso do BNDES para a região, devido a preferências que os investidores têm pelo Sudeste, de melhor infraestrutura industrial, de maior contingente de mão-de-obra especializada, de maior concentração do mercado consumidor, envolvendo naturalmente menor período de maturação, menor tempode retornoe menorrisco paraas aplicações, deveria orientar o governo a destinar para as regiões menos desenvolvidas do País, como o Nordeste, as aplicações financeiras em investimentos estruturantes e de elevado poder germinativo, como a construção naval e serviços de defesa.
 
Cabe ao governo da Bahia, pelas relações partidárias e mesmo de amizade, reivindicar do governo federal a instalação na Bahia da nova base de submarinos, impulsionando a nascente indústria naval e trazendo para aRegião Metropolitana de Salvador grande volume de serviços em atividade intensiva em mão-de-obra. Tal decisão, além de politicamente correta, seria justa para a Bahia, que há 201 anos foi testemunhada decisão história da abertura dos portos parao mundoeconômico de então.
 
O acordo militar entre Brasil e França cria para o governo federal uma oportunidade ímpar de trazer para o Nordeste investimentos governamentais. (A Tarde/BA)

AV. BARRETO DE MENEZES, 809 - PIEDADE - JABOATÃO DOS GUARARAPES - PE | TELEFONES: 0800 500 0500 - 81 2128-0500 | CNPJ: 02.662.317/0001-19